Meu progresso

Páginas

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

E quem disse que seria fácil?



Não está sendo...
Acho que a maioria das pessoas vê a redução de estômago como milagre, eu de certa forma também via, na verdade eu via como a minha última chance, mas não é bem assim não.
De fato acho que foi minha última cartada, mas a última que deu inicio a outras novas, confuso eu sei, porém quando eu resolvi fazer a cirurgia eu não imaginava que estava só começando por um caminho complicado e de certa forma sem volta, eu iniciei em uma vida com algumas privações, menos do que eu tinha antes, porém completamente novas, tem horas que eu paro e penso em tudo que ainda tenho que fazer para ficar tudo bem, da uma certa “preguiça”, ainda falta perder muito peso e agora não é mais tão rápido como foi no começo, agora é mais sofrido, é questão de controle e mais esforço, meu corpo está me deixando bastante insatisfeita devido a flacidez, tem horas que eu choro, se fico sozinha e começo a pensar eu choro muito, não gosto nem de olhar muito meus braços, estão horríveis, sem falar na minha pele que está mega sensível, qualquer coisa marca, alergias então nem se fale, o cabelo não para de cair, está bem pouco e não da mais para disfarçar, realmente é um caminho muito longo, não é nada fácil, eu queria que tudo se resolvesse mais rápido, mas não vai acontecer dessa forma, agora é ter paciência e esperar que tudo se ajeite né?
Estou melhor do que estava antes, isso é fato, mas eu já tinha tantos problemas e agora acrescenta se esses e fica bem difícil, eu queria nunca ter que passar por nada disso, eu não consigo encarar como as outras pessoas que leio os blogs, que aceitam a cirurgia como algo de bom que aconteceu na vida delas e etc, eu considero um castigo por ter chegado aonde cheguei, não que a cirurgia seja algo ruim, pelo contrário, é algo muito bom, mas o problema é comigo mesmo, o problema é eu me aceitar como uma pessoa que engordou tanto e precisou fazer uma cirurgia desse porte para perder 30 quilos e ainda continuar gorda e ainda ter que passar por mais coisas pela frente, eu  realmente tenho dificuldade em aceitar isso, eu queria que fosse tudo diferente, queria nunca ter sido gorda, nunca ter precisado operar, queria ter tido uma vida normal,  eu nunca vou conseguir aceitar que perdi tantas coisas por ser gorda, coisas que não voltam, coisas que simplesmente eu tive que deixar passar.
Talvez eu esteja em mais uma daquelas fases pra baixo, sei que isso passa logo, eu estou feliz, de uma forma que nunca fui antes da cirurgia, mas esse sentimento de revolta eu acho que nunca irá me abandonar, pelo fato de eu sentir tanta vergonha do que aconteceu comigo, do que eu fui, do que eu precisei fazer para deixar de ser e do que eu ainda sou, questão de aceitação mesmo, queria conseguir me achar bonita, gostar do meu corpo, mas acho que ainda falta muito para isso acontecer, continuo me olhando no espelho e vendo a gorda estranha que eu me acostumei a ser.

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Janeiro interminável...



Eu acho janeiro um dos meses mais chatos do ano, parece ser o mais longo e entediante, nada acontece, só a rotina mesmo...
O meu ano começou muito bem, estou bem feliz, que às vezes me sinto mal de me chatear com algumas coisas, acho que não posso fazer isso, porém acho que isso é mais culpa de outras pessoas do que minha, porque depois que eu operei, “todo mundo está pior que eu” claro que não de fato, mas as pessoas me tratam dessa forma, se eu sei lá, bato o dedo na quina do sofá, eu não posso reclamar de dor porque tem gente que sofre mais que eu, não estou exagerando não, se eu penso em reclamar de alguma coisa, tem sempre alguém por perto para me lembrar do quanto eu tive sorte por tudo que me aconteceu, se eu insisto em reclamar ai começam as histórias de pessoas que sofrem mais que eu, porque sempre alguém tem uma história mais triste, não que eu não ache que de fato tenham pessoas que estão em situações ruins, sei que sim, mas às vezes quando eu estou reclamando de algo, na verdade estou desabafando e só quero que me ouçam e só, nem precisa falar muita coisa, só quero ser ouvida, saber que tem pessoas em situação piores nem sempre ajuda, pelo menos não comigo, eu me conforto mais em saber de pessoas que passaram por algo parecido e que no final deu tudo certo, ou pelo menos quase tudo.
Eu estou um pouco chateada sim, não impede que eu continue feliz, mas tem coisas me deixando com certa raiva, não é de agora que a convivência aqui em casa está difícil, mas só vem piorando, meu pai está cada dia mais implicante comigo, agora ele meio que está me perseguindo, sempre na hora do café da manhã ele da um jeito de me provocar com algo, eu tento ignorar, porque cansei de brigar, eu fiquei bem sensível a discussões, eu já fui muito de provocar de querer discutir, mas hoje em dia eu fujo de discussões, mas com meu pai está sendo difícil, tudo para ele é motivo de briga e ele sempre faz parecer que a louca e descompensada sou eu, acho que ele não gosta mais do fato de eu ainda morar aqui, já deu indiretas sobre isso e eu venho percebendo isso cada vez mais, desde o dia que ele se prontificou em me ajudar a pagar aluguel em Campinas caso eu queira morar mais perto da faculdade, obviamente que eu aceitei, também quero ir embora daqui, no entanto está criando se um clima ruim entre ele e minha mãe, minha mãe não gosta em nada da ideia que eu vá embora, ela fica tentando se aproximar de todas as formas, presentes, conversas e etc, ela acaba aceitando tudo que eu quero com medo de me desagradar, e fica com raiva do meu pai pelas coisas que ele me fala, eu não quero isso, não quero causar brigas nem nada, quero sim ir embora, independente do meu pai, mas quero que minha mãe fique bem.
Eu não sei bem o que fazer ainda, preciso repensar tudo, decidir o que fazer, eu percebi que ninguém nunca foi capaz de entender de fato como era minha vida antes e por isso não entende como está sendo agora, para eu, tudo é novo, eu fico curtindo, perdida no meu mundo comemorando cada coisa nova na minha vida, eu sinto a necessidade de me desafiar a cada novo dia, experimentar coisas pelas quais me privei durante um longo tempo, mas é difícil fazer as pessoas entenderem isso, as vezes acham que estou ficando louca, quando me pegam rindo sozinha, mas estou apenas lembrando de coisas boas que aconteceram, tem coisas que são tão inacreditáveis que eu preciso ficar relembrando todo o tempo para sentir novamente que aconteceram de fato.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Bem vindo seja 2013!



E 2013 começou... Post de começo de ano um pouco atrasado, mas vá lá...
2012 foi o ano que minha vida mudou completamente, tudo novidade e minha virada de ano não poderia ser diferente... Longe da família e todas as tradições e superstições é, pois é a pessoa que tinha medo de sair sozinha na rua passou a virada de ano longe da mamãe, passei com o namorado *__* foi tudo tão bom, então com esse final de ano incomum e maravilhoso só tenho certeza que 2013 será um ano de muitas coisas boas e novas na minha vida.
Não comecei o ano com promessas ou metas a atingir, desejei apenas que tudo continuasse acontecendo da forma como vem acontecendo, eu conseguindo enfrentar as coisas que me assustavam, conseguindo superar meus limites que antes pareciam impossíveis, claro que tenho alguns planos, mas agora tenho mais calma e paciência para fazer as coisas da forma certa...
Sobre a cirurgia, mais um platô, eu perdi 3 quilos de um dia para o outro e ai parou de novo, mas estou mais calma dessa vez, sei que logo vai baixar mais alguns quilinhos e eu volto a ficar contente, a saúde não anda tão boa, anemia está complicada, mas estou tratando e acho que logo tudo volta ao normal, alimentação está legal, tem dias que sinto bastante fome, outros eu poderia passar o dia sem comer, mas procuro manter o equilíbrio em ambos, não comer muito e nem ficar sem comer, claro que tem dias que rola aquela escapada, vontade louca de comer doce, porém a menor quantidade de doce já me da mal estar, começo a suar e ver estrelinhas, então o jeito é evitar mesmo, fazer o que né? O cabelo continua a cair muito e meus médicos continuam a insistir que não é necessário usar nenhum medicamento para controlar essa queda, ok né, o que eu vou fazer contra isso?
Meu convênio só me esquenta a cabeça mesmo, tem horas que eu me estresso, só não mudo porque ai perderia o direito sobre as plásticas que vou precisar futuramente.
Não mais a acrescentar, é isso, espero que tudo de certo em 2013, que essa felicidade que estou sentindo e vivendo no momento perdure, eu acho que mereço né? É eu mereço.